»»» LEITURA OBRIGATÓRIA

PUBLICIDADE

Pesquisar matérias no Blog

GALERIA DE VÍDEOS DO BLOG:

quinta-feira, 15 de maio de 2008

A JUSTIÇA TARDA MAS NÃO FALHA!


Ainda fora do país para não exibir as marcas do último 3 Round em que seus advogados, pagos com dinheiro público, tombaram diante mais uma das suas causas perdidas a favor do deputado, o Sr. Alex Testoni provavelmente deve insistir mais uma vez, dessa vez ao Supremo, na petulante proposta de promover a Censura Prévia e a Lei da Mordaça à imprensa de Rondônia, em pleno século 21, demonstrando assim o enorme e amadorístico despreparo e falta de esclarecimento jurídico de sua equipe ante os princípios básicos do estado democrático de direito, conquistado a duras penas por cidadãos brasileiros, homens que não se acovardam de nada, que deram e dão as suas vidas para exorcisar de nossa política pessoas de caráter duvidosos que sempre insistiram em promover o monopólio da verdade através de manipulação de massas e ditaduras totalitaristas infelizmente investidas por força de mandatos eletivos.

Porém, o mesmo voto que elege um cidadão dessa estirpe à um mandato, é o voto que tem o direito de fiscalizar, cobrar, avaliar e criticar com rigor quando todas as palavras que foram ditas ao longo de uma campanha eleitoral sejam cumpridas e honradas pelo simples fato de terem sido pronunciadas.

Senão, ao nos conformarmos com as promessas descumpridas estaremos seria melhor que tivéssemos votado em branco ou nulo, pois a culpa seria única e exclusiva do eleito, que mesmo assim tem por obrigação assumida em seu juramento de posse o dever de zelar pelos interesses dos cidadãos rondonienses.

O povo, por sua vez, tem que estirpar a trava dos olhos de uma vez por todas, e entender que os políticos eleitos são na realidade apenas funcionários públicos, empregado do povo, escolhidos pelo povo, e pagos pelo dinheiro do povo, para trabalhar,gerenciar e prestar contas das demandas de capital que o estado arrecada, sem que essa obrigação seja distorçida ou mal interpretada por esses representantes.

É de doer o coração quando um cidadão rico e poderoso como o deputado Alex Testoni, que jamais vai conseguiu convencer ninguém que entrou na política por amor a Rondônia, a qual nunca foi colocada acima de seus interesses quando começou a vida sonegando impostos e endeusando o seu dinheiro, como ele mesmo declarou em gravações feitas em sua campanha, entra para a política e continua mantendo a postura de mega empresário a frente dos negócios, de nariz empinado que trata a todos, como serviçais, quando na realidade o empregado é o próprio que quer ser tratado como Rei.

Mas, assim como a democracia venceu a tirania, assim como a luz sempre vence as trevas, aos poucos o Brasil toma consciência que exemplos de autoritarismos reprováveis como esse, estão sendo extintos pela luz da ilustríssima Justiça Brasileira, que as vezes parece que vai cambalear, mas, levanta-se triunfante e pagina a Constituição Federal, com suas páginas banhadas com o sangue de heróis imortais, e as esfrega nas fuças de pessoas sem escrúpulos.

No mais, gostaria muito de pedir que as férias do deputado sejam as mais longas possíveis, e que se puder dê uma passadinha lá pela China, onde a censura e a mais sórdida expressão de repressão humana, política e social persistem em permanecer em pé, mesmo sabendo que os seus filhos mais preciosos já plantaram com suas vidas a semente da liberdade de consciência.

Ah sim, a tira colo leve também o senador Expedito Jr. que fez questão de tentar criar aquele projeto de lei nº 398/2007, mais uma idéia esdrúxula, absurda e retrógrada de querer antecipar uma condenação penal através de aparato policial, sem que a parte acusada se manifeste em ampla defesa de seus direitos.

Quem sabe lá vocês serão recebidos como mensageiros celestes.

Eu hein, nem aqui e nem na China !!!


Postar um comentário

PUBLICIDADE

ESTOU EM PAZ, E VOCÊ ?

Um Diploma ou um Sacerdócio?

Que respostas podemos dar à indagação sobre os motivos de se exigir que o profissional de Jornalismo seja formado por uma faculdade?

Digamos, desde logo, que a faculdade não vai "fazer" um jornalista. Ela não lhe dá técnica se não houver aptidão, que denominamos de vocação.

A questão é mais séria e mais conseqüente. A faculdade, além das técnicas de trabalho, permite ao aluno a experiência de uma reflexão teórica e, principalmente, ética.

Não achamos absurdo que um médico deva fazer uma faculdade. É que vamos a ele entregar o nosso corpo, se necessário, para que ele corte, interfira dentro de seu funcionamento, etc.

Contudo, por vezes discutimos se existe necessidade de faculdade para a formação do jornalista, e nos esquecemos que ele faz uma intervenção muito mais radical sobre a comunidade, porque ele interfere, com seus artigos, suas informações e suas opiniões, diretamente dentro de nosso cérebro.

Acho que, pelo aspecto de cotidianidade que assumiu o Jornalismo, a maioria das pessoas esquece que o Jornalismo não é uma prática natural.

O Jornalismo é uma prática cultural, que não reflete a realidade, mas cria realidades, as chamadas representações sociais que interferem diretamente na formulação de nossas imagens sobre a realidade, em nossos valores, em nossos costumes e nossos hábitos, em nossa maneira de ver o mundo e de nos relacionar com os demais.

A função do Jornalismo, assim, é, socialmente, uma função extremamente importante e, dada a sua cotidianidade, até mais importante que a da medicina, pois, se não estamos doentes, em geral não temos necessidade de um médico, mas nossa necessidade de Jornalismo é constante, faz parte de nossas ações mais simples e, ao mesmo tempo mais decisivas, precisamos conhecer o que pensam e fazem nossos governantes, para podermos decidir sobre as atividades de nossa empresa; ou devemos buscar no Jornalismo a informação a respeito do comportamento do tempo, nas próximas horas, para decidirmos como sair de casa, quando plantar, ou se manter determinada programação festiva.

Buscamos o Jornalismo para consultar sobre uma sessão de cinema, sobre farmácias abertas em um feriadão, mas também para conhecermos a opinião de determinadas lideranças públicas a respeito de determinado tema, etc.

Tudo isso envolve a tecnologia e a técnica, o nível das aptidões, capacidades e domínio de rotinas de produção de um resultado final, que é a notícia.

Mas há coisas mais importantes: um bom jornalista precisa ter uma ampla visão de mundo, um conjunto imenso de informações, uma determinada sensibilidade para os acontecimentos e, sobretudo, o sentimento de responsabilidade diante da tarefa que realiza, diretamente dirigida aos outros, mais do que a si mesmo.

Quando discuto com meus colegas a respeito da responsabilidade que eu, como profissional tenho, com minha formação, resumo tudo dizendo: não quero depender de um colega de profissão, "transformado" em "jornalista profissional", que eventualmente eu não tenha preparado corretamente para a sua função.

A faculdade nos ajuda, justamente, a capacitar o profissional quanto às conseqüências de suas ações.

Mais que isso, dá ao jornalista, a responsabilidade de sua profissionalização, o que o leva a melhor compreender o sentido da tarefa social que realiza e, por isso mesmo, desenvolver não apenas um espírito de corpo, traduzido na associação, genericamente falando, e na sindicalização, mais especificamente, mas um sentimento de co-participação social, tarefa política (não partidária) das mais significativas.

Faça-se uma pergunta aos juízes do STF a quem compete agora julgar a questão, mais uma vez, questão que não deveria nem mais estar em discussão: eles gostariam, de ser mal informados?

Eles gostariam de não ter acesso a um conjunto de informações que, muitas vezes, são por eles buscadas até mesmo para bem decidirem sobre uma causa que lhes é apresentada através dos autos de um processo?

E eles gostariam de consultar uma fonte, sempre desconfiando dela?

Porque a responsabilidade do jornalista reside neste tensionamento que caracteriza o Jornalismo contemporâneo de nossa sociedade capitalista: transformada em objeto de consumo, traduzido enquanto um produto que é vendido, comercializado e industrializado, a notícia está muito mais dependente da responsabilidade do profissional da informação, que é o jornalista, do que da própria empresa jornalística que tem, nela, a necessidade do lucro.

Assim sendo, é da consciência aprofundada e conscientizada do jornalista quanto a seu trabalho, que depende a boa informação.

E tal posicionamento só se adquire nos bancos escolares, no debate aberto, no confronto de idéias, no debate sério e conseqüente que se desenvolve na faculdade.

Eis, em rápidos traços, alguns dos motivos pelos quais é fundamental que se continue a exigir a formação acadêmica para o jornalista profissional.

A academia não vai fazer um jornalista, mas vai, certamente, diminuir significativamente, a existência de maus profissionais que transformam a informação, traduzida na notícia, em simples mercadoria.

Danny Bueno
Ocorreu um erro neste gadget

______________ ÚLTIMOS VÍDEOS :

Loading...

_______________Arquivo vivo: