»»» LEITURA OBRIGATÓRIA

PUBLICIDADE

Pesquisar matérias no Blog

GALERIA DE VÍDEOS DO BLOG:

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Crônicas de Rondônia (06/05) - Quem é quem em 2014

Os preparativos nos bastidores

O próximo ano promete mesmo ser carregado de novidades na área política, tanto que ainda nem chegamos em meados de 2013 e já se percebe uma agitada movimentação pelos bastidores políticos do Estado, tanto para governo como para deputados estaduais,  federais e senadores. Aqui em Porto Velho, alguns nomes remanescentes das eleições para prefeitura já firmam seus propósitos para encarar a nova etapa eleitoral. Entre esses, dois que não fazem a menor questão de esconder as suas pretensões são os empresários Kazan Roriz (Fox – PEN) e Mário Português (Coimbra – PPS), além deles, a bela Marina Carvalho (PSDB) anda fazendo até viagem ao exterior, mais precisamente em Washington, e percorrendo os corredores da Casa Branca para especializar-se mais na vida pública. Sem dúvida,  Mariana Carvalho é candidatíssima em 2014, não se sabe ainda se para a Assembleia ou o Congresso. Mário Português é candidatíssimo. Seu caminho, a princípio, é a Câmara Federal. O pastor Aloizio Vidal, uma das principais surpresas agradáveis da disputa, é pule de dez para concorrer a uma das 24 cadeiras na Assembleia.

Indefinidos

Há ainda outros nomes, cujas trajetórias ainda não se tem certeza para onde os levarão. Fátima Cleide ainda não decidiu seu rumo, depois do resultado muito ruim em 2012. O médico José Augusto é uma incógnita. Tem potencial, mas não se sabe se ainda será novamente candidato, porque obviamente quer distância do PMDB. Mário Sérgio, ex-Emdur, sumiu. Ou seja, os principais nomes que concorreram contra Mauro Nazif, em 2012, estão na lida. Mas nem todos têm futuro na vida pública.

Moto, só para quem tiver carteira

Tramita na Câmara Municipal de Porto Velho, mais precisamente na Comissão de Constituição e Justiça um projeto de lei de autoria do vereador Alan Queiroz que dispõe sobre a exigência da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na hora de comprar uma motocicleta. A norma pretende reduzir a venda desses veículos para pessoas inabilitadas. Ela não legisla sobre trânsito (não é competência da Câmara), mas entra na relação comercial consumidor/comerciante. A princípio parece ser inconstitucional, mas não é. Se partirmos do princípio que a medida vai salvar vidas, não há o que discutir. Além do mais, não afeta em absoluto a vendagem desses veículos.

Alarmantes

Os índices em Porto Velho são mais que alarmantes e é preciso que o poder público de fato intervenha nessa questão. Se for aprovada, a lei prevê ainda que os cartórios exijam a CNH no ato da venda de motos usadas. As empresas terão que armazenar cópias dessas CNHs durante um ano e passarão por fiscalizações feitas pela prefeitura.

Debate

Atualmente a CCJ da Câmara dos Vereadores vem debatendo a constitucionalidade da lei, papel que lhe cabe. O problema é que, enquanto demora essa análise, famílias estão sofrendo a perda de entes queridos e gastando economias com tratamentos de acidentados, sendo que muitos foram vítimas de condutores inabilitados que conseguiram comprar um veículo sem a devida premissa estabelecida pelo Código Brasileiro de Trânsito, que é portar uma CNH.

O preço de uma responsabilidade

Os mais afoitos vão dizer, “mas tirar uma CNH está muito caro”, de fato está, mas isso não dá o direito a ninguém conduzir um veículo sem a devida habilitação. Se para comprar uma arma é necessária a apresentação de porte, avaliações psicológicas e treinamento, porque não aplicar o mesmo princípio à venda de motocicletas? Quem dirige diariamente sabe bem os problemas causados por condutores inexperientes, inseguros na condução de seus veículos. Não é incomum, em conversas informais, ouvirmos pessoas dizendo que “fulano comprou uma moto mas não tem carteira”. Esse fulano está arriscando sua vida e colocando a de terceiros em risco.

E para os automóveis?

Porque o mesmo princípio não é aplicado aos condutores de veículos com quatro rodas? Por que apesar das facilidades de compra de carros, o controle sobre esses veículos é bem maior, até porque muita gente não tem receio de emprestar uma moto ou mesmo comprar para terceiros, seja pai, tio ou irmãos. Já um carro, por ser um bem mais caro, essa relação é mais complicada. Sem contar que os índices de acidentes com vítimas fatais com esses veículos, ou mesmo de sequelas causadas, é bem menor que os provocados/envolvidos por motos.

O certo mesmo

Seria o condutor só poder comprar um veículo, seja ele de duas ou quatro rodas, após o período de experiência exigido pelo Código Brasileiro de Trânsito, aplicado aos novos condutores. Mas isso é uma outra discussão.

Postar um comentário

PUBLICIDADE

ESTOU EM PAZ, E VOCÊ ?

Um Diploma ou um Sacerdócio?

Que respostas podemos dar à indagação sobre os motivos de se exigir que o profissional de Jornalismo seja formado por uma faculdade?

Digamos, desde logo, que a faculdade não vai "fazer" um jornalista. Ela não lhe dá técnica se não houver aptidão, que denominamos de vocação.

A questão é mais séria e mais conseqüente. A faculdade, além das técnicas de trabalho, permite ao aluno a experiência de uma reflexão teórica e, principalmente, ética.

Não achamos absurdo que um médico deva fazer uma faculdade. É que vamos a ele entregar o nosso corpo, se necessário, para que ele corte, interfira dentro de seu funcionamento, etc.

Contudo, por vezes discutimos se existe necessidade de faculdade para a formação do jornalista, e nos esquecemos que ele faz uma intervenção muito mais radical sobre a comunidade, porque ele interfere, com seus artigos, suas informações e suas opiniões, diretamente dentro de nosso cérebro.

Acho que, pelo aspecto de cotidianidade que assumiu o Jornalismo, a maioria das pessoas esquece que o Jornalismo não é uma prática natural.

O Jornalismo é uma prática cultural, que não reflete a realidade, mas cria realidades, as chamadas representações sociais que interferem diretamente na formulação de nossas imagens sobre a realidade, em nossos valores, em nossos costumes e nossos hábitos, em nossa maneira de ver o mundo e de nos relacionar com os demais.

A função do Jornalismo, assim, é, socialmente, uma função extremamente importante e, dada a sua cotidianidade, até mais importante que a da medicina, pois, se não estamos doentes, em geral não temos necessidade de um médico, mas nossa necessidade de Jornalismo é constante, faz parte de nossas ações mais simples e, ao mesmo tempo mais decisivas, precisamos conhecer o que pensam e fazem nossos governantes, para podermos decidir sobre as atividades de nossa empresa; ou devemos buscar no Jornalismo a informação a respeito do comportamento do tempo, nas próximas horas, para decidirmos como sair de casa, quando plantar, ou se manter determinada programação festiva.

Buscamos o Jornalismo para consultar sobre uma sessão de cinema, sobre farmácias abertas em um feriadão, mas também para conhecermos a opinião de determinadas lideranças públicas a respeito de determinado tema, etc.

Tudo isso envolve a tecnologia e a técnica, o nível das aptidões, capacidades e domínio de rotinas de produção de um resultado final, que é a notícia.

Mas há coisas mais importantes: um bom jornalista precisa ter uma ampla visão de mundo, um conjunto imenso de informações, uma determinada sensibilidade para os acontecimentos e, sobretudo, o sentimento de responsabilidade diante da tarefa que realiza, diretamente dirigida aos outros, mais do que a si mesmo.

Quando discuto com meus colegas a respeito da responsabilidade que eu, como profissional tenho, com minha formação, resumo tudo dizendo: não quero depender de um colega de profissão, "transformado" em "jornalista profissional", que eventualmente eu não tenha preparado corretamente para a sua função.

A faculdade nos ajuda, justamente, a capacitar o profissional quanto às conseqüências de suas ações.

Mais que isso, dá ao jornalista, a responsabilidade de sua profissionalização, o que o leva a melhor compreender o sentido da tarefa social que realiza e, por isso mesmo, desenvolver não apenas um espírito de corpo, traduzido na associação, genericamente falando, e na sindicalização, mais especificamente, mas um sentimento de co-participação social, tarefa política (não partidária) das mais significativas.

Faça-se uma pergunta aos juízes do STF a quem compete agora julgar a questão, mais uma vez, questão que não deveria nem mais estar em discussão: eles gostariam, de ser mal informados?

Eles gostariam de não ter acesso a um conjunto de informações que, muitas vezes, são por eles buscadas até mesmo para bem decidirem sobre uma causa que lhes é apresentada através dos autos de um processo?

E eles gostariam de consultar uma fonte, sempre desconfiando dela?

Porque a responsabilidade do jornalista reside neste tensionamento que caracteriza o Jornalismo contemporâneo de nossa sociedade capitalista: transformada em objeto de consumo, traduzido enquanto um produto que é vendido, comercializado e industrializado, a notícia está muito mais dependente da responsabilidade do profissional da informação, que é o jornalista, do que da própria empresa jornalística que tem, nela, a necessidade do lucro.

Assim sendo, é da consciência aprofundada e conscientizada do jornalista quanto a seu trabalho, que depende a boa informação.

E tal posicionamento só se adquire nos bancos escolares, no debate aberto, no confronto de idéias, no debate sério e conseqüente que se desenvolve na faculdade.

Eis, em rápidos traços, alguns dos motivos pelos quais é fundamental que se continue a exigir a formação acadêmica para o jornalista profissional.

A academia não vai fazer um jornalista, mas vai, certamente, diminuir significativamente, a existência de maus profissionais que transformam a informação, traduzida na notícia, em simples mercadoria.

Danny Bueno
Ocorreu um erro neste gadget

______________ ÚLTIMOS VÍDEOS :

Loading...

_______________Arquivo vivo: